2005-12-30

Grandes fotógrafos - William Eggleston














Como complemento às nossa imagens, passamos a apresentar também no Imagoluce pequenos apontamentos sobre grandes fotógrafos, sugerindo links para sítios da internet nos quais poderão ser apreciadas reproduções de obras dos mesmos. Iniciamos esta série com o fotógrafo norte americano William Eggleston.
Criado numa plantação de algodão do delta do Mississippi, William Eggleston vem criando desde os anos 60 um singular retrato do sul dos E.U.A. As suas fotografias de grande formato monumentalizam aspectos por vezes banais do quotidiano. Cedo abandonou o preto e branco em favor das tecnologias da cor, o que lhe valeu a reputação de pioneiro na fotografia colorida contemporânea e, nesta área, o mais importante e influente fotógrafo do século XX.

http://www.egglestontrust.com/

2005-12-29

Egipto 2002

Edfu - Templo de Hórus
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

2005-12-24

Largo de S. Cristóvão do Bairro do Atalaião
















"Confrades e amigos
Com a prenda de Natal deste ano, que foi uma Pentax digital, fiz esta primeira foto entre outras: o largo de S. Cristóvão do Bairro do Atalaião, aonde moro.
Quantas vezes já o vi sob a chuva e sob o sol, de noite e de dia, esperando presenças desejadas e vendo ali passar as mais diversas silhuetas!
Mas nunca o vira assim, em retrato, porque - e pasmo por isso - nunca lhe tirara daqui da varanda nenhuma fotografia...
Outras, de cariz diverso, se seguirão. Naturezas mortas, naturezas vivas, momentos de ócio e de labor e de simples vilegiatura que a objectiva (o pequeno écran) plasmará na sua imutabilidade. Mas esta - por ser a primeira, como nos grandes amores - teve um sabor especial...
Boas Festas a todos!
NS"

2005-12-21

QUINTAL















"(...) E, instado pelo sr. chefe de brigada, o acusado disse: '-Sim, era na altura do Natal que lá se viam as laranjeiras, os limoeiros e as tangerineiras, no meio de outras árvores de fruto e de algumas poucas oliveiras. Aquilo esplendia sob a doçura do silente sol de Dezembro. E a mãe recomendava sempre à mana: 'Vê lá não caias da escada...', referindo-se ao artefacto de madeira mediante o qual se chegava aos mais altos ramos. Levavam-se sempre dois saquitéis - e um deles acolhia os limões para que a sua casca bendita, ralada, polvilhasse a fina massa das filhozes e azevias...
E interrompeu o sr. procurador e, à sua interpelação, respondeu o acusado:" Era a avó, a tia Maria Serenina, a prima Rosa, a vizinha Generosa, além dos mais próximos é claro. Reuníamo-nos na sala grande, havia a mesa de castanho, a lareira...". E a mais uma pergunta, que pareceu atrapalhá-lo, do sr. chefe de brigada, o detido declarou: '-Cantávamos, sim, confesso que cantávamos: loas ao deus-menino, rimances onde se falava nas consoadas distantes, modas aprendidas através dos tempos. E sentíamo-nos felizes - e lá fora, enquanto nós ceávamos seroando na santa paz das horas, lá fora as árvores descansavam sob a luz da lua e do firmamento recamado.'

Ao arguido foi levantado o competente processo por delito poético natalício".

NS

2005-12-19

Finlândia 2001

Rovaniemi XI
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

Finlândia 2001

Rovaniemi X
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

Finlândia 2001

Rovaniemi IX
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

2005-12-17

a.

b.

2005-12-16

Finlândia 2001

Rovaniemi VIII
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

2005-12-15

Finlândia 2001

Rovaniemi VII
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

2005-12-14

Finlândia 2001

Rovaniemi VI
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

Rovaniemi V
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

2005-12-13

Finlândia 2001

Rovaniemi IV
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

Finlândia 2001

Rovaniemi III
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

Finlândia 2001

Rovaniemi II
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

2005-12-12

Paris de dia
















"(...) Rastignac ficou só, deu alguns passos em direcção ao cimo do cemitério e viu Paris espraiado sinuosamente ao longo das duas margens do Sena, onde as luzes começavam a brilhar. Os seus olhos fixaram-se quase avidamente entre a Praça Vendome e a cúpula dos Inválidos. Era ali que vivia a alta sociedade em que quisera penetrar...
Deitou àquela colmeia zumbidora um olhar que dir-se-ia sugar-lhe antecipadamente o mel e proferiu estas palavras grandiosas:
- Agora nós! (...)

Honoré de Balzac

Finlândia 2001

Rovaniemi I
nikon F-601 / diapositivo / photoshop

2005-12-02

Egipto 2002

Margem esquerda do Rio Nilo IV
nikon F-601 / diapositivo / photoshop